19.11/2018 | Murillo Costa
Fascismo: Um alerta livro Madeleine Albright

Fascismo: um alerta para identificá-lo em nossos dias

Ao pensarmos sobre as guerras do século XX fomentadas pelo fascismo, imediatamente recusamos a ideia que novos conflitos poderão acontecer próximos a nós. Entretanto, o livro Fascismo: Um Alerta, de Madeleine Albright, mostra o contrário. O pensamento extremo não apenas sobreviveu como voltou a ser uma grande ameaça.

Fascismo é uma palavra que todos nós ouvimos falar, mas pouquíssimos sabem explicar o que significa sem se embananar nas palavras. Em um livro para todos os tipos de pessoas, Madeleine Albright explica.

E claro, amado leitor, antes de continuar, compartilhe esse post. Você ajuda o Central Autoria a se manter de pé quando faz isso. Obrigado!

E, antes de continuarmos e você (provavelmente) etiquetar o Central Autoria como isso ou aquilo, dessa ou daquela posição política, lembre-se que o blog é apenas um veículo de informação. Estamos aqui para indicar bons livros.

Dados técnicos de Fascismo: Um alerta

Fascismo: um alerta para a banalização do verdadeiro conceito

Fascismo: Um Alerta livro

O que é então, fascismo de verdade, e como se reconhece um adepto dele?” Madeleine mostra um dos fundamentos para escrever o livro Fascismo: Um alerta com essa pergunta simples, que poderia ter sido feita pela pessoa mais simples que assiste a um jornal.

Rótulos políticos têm divididos pessoas no mundo inteiro. E a maioria dessas pessoas não sabem o verdadeiro significado desses rótulos. Chamar uma pessoa que discorda de você de “comunista” ou algum figurão de “fascista” virou algo comum.

Para um filho corrigido pelo pai, o pai é o fascista. Para consumidores de franquias de internet, a corporação é fascista. Para aqueles que pensam diferente de um certo grupo, esses são fascistas. O que é diferente é fascista. Portanto, identificar o verdadeiro e perigoso fascismo virou uma tarefa difícil, devido à banalização da palavra.

Ao invés de rotular, Madeleine prefere observar os atos das pessoas. Ela diz haver atos fascistas em todas as posições políticas – direita, centro, esquerda e suas variações. Para saber identificá-los, ela nos convida a uma visita ao passado.

Como identificar atos fascistas na política

Fascismo: Um alerta dá uma primeira luz sobre a doutrina como sendo algo que envolve menos política e mais um “caminho para o poder”.

Os grandes líderes fascistas, Mussolini e Hitler, deixaram um modelo de como identificar atos fascistas na política. Fascismo: Um alerta nos mostra uma visão básica sobre eles. Independente de quem seja o líder fascista da vez, ele sempre conseguirá criar uma ligação emocional com as grandes parcelas da sociedade. Geralmente o povo comum, de classe trabalhadora.

Em um regime militar, por exemplo, o poder é imposto à sociedade do topo para a base. De cima para baixo. Já em um governo fascista, o poder é elevado da base para o topo. O fascismo se alimenta do sentimento de revolta do povo comum a algum problema social, como guerra, desemprego, violência ou fome.

Essa dor faz ganhar força qualquer discurso que prometa ações extremas para acabar com os problemas. Quem faz o discurso ganha seguidores. E essa força popular o eleva ao poder na esperança que este líder resolva todos os problemas.

Se a proposta é resolver problemas, de onde vem o medo, então? O medo vem de, pelo menos, dois lugares: a violência gerada dentro da massa social revoltada e do, geralmente, militarizado pensamento do líder aclamado por essa massa.

Em seu começo, o nazismo de Hitler e o fascismo de Mussolini prometeram – e até certo ponto, cumpriram – melhoras na saúde, educação e emprego. Mas sabemos onde o extremismo levou aquela Europa.

Ler Fascismo: Um alerta para ter um pensamento político correto?

Não recomendo que leia o livro Fascismo: Um alerta com uma mente política. Recomendo que o leia com uma mente humana e entenda onde o preconceito levou, e poderá levar, a humanidade.

Pensamento político é pessoal. Entretanto, pessoalmente, cada um deveria refletir se seus conceitos o levam a atos preconceituosos ou de “superioridade”.


Quer conferir outro livro de não-ficção igual a esse? Veja esse artigo, onde foi indicado o livro A Guerra não tem Rosto de Mulher, sobre soldadas soviéticas na Segunda Guerra Mundial.

No Banner to display

Sou o autor de Os Renegados, distopia pós-apocalíptica, editor do Central Autoria e host do Autoria Podcast. Também sou parceiro da saga de fantasia épica A Crônica Esférica. Estudante contínuo de empreendedorismo e marketing digital, procuro compartilhar conhecimento através do meu trabalho.
0 Comentários
Deixe o seu comentário!