Bem-vindo à Semana da Distopia!

Semana Da Distopia Dia 1

Que comecem os jogos, camaradas! Está aberta a Semana da Distopia 2018 no Central Autoria!

Seja bem-vindo à Semana da Distopia, meus camaradas, leitores e escritores! É com muito prazer que dou o tiro inicial desse evento muito importante para mim. Esse é o primeiro artigo de uma série de conteúdo voltado para o tema literário que tem feito tanto sucesso nos últimos anos.

Eu sou Murillo Costa, criador do Central Autoria, editor aqui e no site Eixo Nerd, podcaster no Autoria Podcast e no Eixo Nerd Podcast. Além disso, também sou o autor da trilogia distópica Os Renegados, cujo primeiro livro foi lançado em 2016 pela editora Multifoco.

Para que a Semana da Distopia alcance muitas pessoas, preciso de sua ajuda. Compartilhe esse artigo com os amigos que gostam de histórias poderosas e emocionantes, porque é delas que falaremos durante toda essa semana.

Você também pode me seguir em minhas redes sociais para não perder nenhum detalhe do evento:

  • Instagram: @centralautoria;
  • Twitter: @murillo_arco.

Participe do evento nas redes sociais usando a tag #SemanaDaDistopia.

O que é uma distopia?

Uma distopia é o contrário de uma utopia. Em uma utopia, as história caminha na resolução dos problemas, rumo a um final feliz. É assim, por exemplo, com as histórias da Disney. Existem problemas, mas eles são resolvidos para o “felizes para sempre” acontecer.

A principal característica de uma distopia é a marcha para a destruição ao longo da narrativa. Tudo caminha para dar errado e os personagens principais são colocados em situações planejadas para destruí-los.

Sempre existem forças controladoras extremas que oprimem os personagens. São contra essas forças que o personagem principal lutará, ou tentará se posicionar contra – isso, claro, depois de ter sido atacado implacavelmente por elas.

Isso não quer dizer, obrigatoriamente, que o final de uma distopia sempre será terrível. Pode acontecer um final feliz, mas somente depois de muitas perdas e dos personagens carregarem feridas incuráveis.

Uma utopia não tem raízes em nossa sociedade, já que nunca passamos, ou nos lembramos, de uma época em que a humanidade viveu seu “final feliz”. Já uma distopia tem raízes em nossa sociedade porque, praticamente, já vivemos em várias.

Por que resolvi fazer a Semana da Distopia?

Distopia é meu gênero literário favorito. Não só nos livros, mas também no cinema e nas séries. Foi o gênero que escolhi para publicar meu livro de estreia. Escrevi Os Renegados em 2012-2013, quando o gênero se espalhou pelo gosto popular e vi uma oportunidade aberta no mercado.

Resolvi fazer a Semana da Distopia para conversamos sobre o gênero e também para fazer o lançamento da nova edição de Os Renegados, que acaba de partir para a publicação independente! Eu gostaria muito que você conhecesse o livro. A sinopse dele está no final desse artigo. Junto com a capa nova.

Os Renegados será relançado na quarta-feira, dia 19, a um preço promocional de R$ 3,99 na Amazon.

Minhas distopias favoritas

Os Renegados nasceu das minhas referências em distopia. Sempre tive a vontade de escrever um história forte, com eventos dramáticos maduros. Conheça minhas fontes de inspiração, não necessariamente em ordem de preferência:

  • A Saga da Fênix Negra – o mais importante arco de quadrinhos dos X-Men;
  • Matrix – distopia tecnológica que revolucionou o cinema;
  • Jogos Vorazes – uma das distopias mais importantes dos últimos anos, que fez vários jovens se interessarem pelo gênero, formando pensamento crítico.
  • 1984 – provavelmente a melhor distopia já escrita;
  • O Exterminador do Futuro – mais uma distopia tecnológica incrível, que parece até contar a história de precede Matrix.

O que teremos na Semana da Distopia

Na Semana da Distopia teremos várias indicações e artigos documentais sobre distopias que existem em nossos dias. Além disso, também teremos a resenha de Maus, a obra vencedora do Pulitzer, que retrata a vida de um judeu em pleno Terceiro Reich – a pior distopia já vivida pela humanidade. Maus já foi indicado aqui no site, clique aqui para ler.

Hoje, às 13:00, irá ao ar o primeiro podcast da semana, onde conversaremos sobre o papel das distopias em nossa formação de senso crítico e consciência sobre totalitarismo.

Espero muito que gostem da Semana da Distopia e agradeço muito o apoio que derem ao evento!

Que comecem os jogos!


Sinopse de Os Renegados

Os Renegados

A Arena dos Renegados inicia mais dois anos de testes brutais, onde o limite é a própria morte. Quatrocentos jovens são selecionados a cada período e alguns dos poucos que sobrevivem ao treinamento ganham um novo destino: governar a humanidade. Após a destruição da Era Comum pela violenta Última Guerra, o Recomeço presenteou os humanos com uma única nação, Atlântida, dividida em quatro casas patriarcais – Rossine, Villon, Serpas e os poderosos Venites.

O sistema se baseia nos resultados da Arena, a escola de sobrevivência para onde são enviados os primogênitos vindos de um sistema de rodízio em que de quatro gerações. O jovem torna-se um Renegado, aquele que a nação deve rejeitar até que tenha provado seu valor para o país. Em meio a conspirações, Pedro é surpreendentemente selecionado para se tornar um Renegado, o que foge às regras do rodízio, pois seu pai venceu a Arena – sua geração deveria estar segura.

Lutando pela sobrevivência, Pedro descobre que sua vida como Renegado faz parte de uma trama armada décadas atrás para que ele possa ter o poder necessário de enfraquecer o governo impiedoso dos Venites e mudar a realidade miserável da maioria. Esse segredo poderoso pode matá-lo, seus amigos e sua família, mas também pode ser a única forma de sair da Arena com vida.

Sou o autor de Os Renegados, distopia pós-apocalíptica, editor do Central Autoria e locutor do Autoria Podcast. Também sou parceiro da saga de fantasia épica A Crônica Esférica. Webdesigner por formação, procuro compartilhar meus conhecimentos em Marketing Digital com outros escritores para que possamos formar juntos nossas carreiras.
0 Comentários
Deixe o seu comentário!